Aplicações da nanotecnologia em embalagens inteligentes para alimentos

Autores

  • Luciano Kaua Souza Veloso
  • Marlos Glauber Ramos Ribeiro
  • Milene Andréia Martins Paiva
  • Tiago Balby Ferreira Costa
  • Wallace Carlos Barbosa Carvalho
  • William Lopes Matias
  • Rosane de Fatima Antunes Obregon

Palavras-chave:

Nanotecnologia, Embalagens inteligentes, Alimentos

Resumo

A crescente demanda por alimentos tem contribuído para o aumento de resíduos plásticos, principalmente provenientes de embalagens. Em 2020, apenas 23,1% dos resíduos plásticos pós-consumo foram reciclados no Brasil, resultando em uma significativa quantidade de resíduos não biodegradáveis que permanecem no ambiente por longos períodos, afetando a saúde humana e o meio ambiente. A maior parte desses resíduos provém de embalagens de alimentos tradicionais à base de petróleo, como polietileno, polipropileno e poliestireno. Estima-se que anualmente, 31,9 milhões de toneladas de resíduos plásticos entram no ambiente, com uma parcela considerável contaminando os oceanos. Apesar desses desafios ambientais, a expectativa é que a demanda por plásticos continue a crescer para atender às necessidades eficientes de recursos da sociedade (FERREIRA et al., 2022).

 

DOI:https://doi.org/10.56238/sevenIengineering-036

Downloads

Publicado

2024-05-07